sexta-feira, 25 de junho de 2010

Pracinhas Botafoguenses na II Guerra Mundial

pesquisa de Claudio Falcão

Durante a II Guerra Mundial houve quatro atletas do futebol botafoguense que foram convocados para servirem como pracinhas da Força Expedicionária Brasileira (FEB). Foram eles Geninho e Walter, dos profissionais e Dunga e Mato Grosso, dos amadores.

Dos quatro, o que teve mais identificação com a camisa alvinegra foi Geninho, Ephigênio de Freitas Bahiense, nascido em Belo Horizonte (MG) a 10/09/1918 e falecido no Rio de Janeiro (RJ) a 21/06/1980, o qual chegou ao Glorioso em 1940, vindo do antigo Palestra Itália (MG), atual Cruzeiro E.C., e que atuou pelo Botafogo até 1954. Geninho estreou com o uniforme botafoguense a 08/09/1940, no clássico contra o Fluminense pelo campeonato carioca, o qual terminou empatado em 2x2, tendo o craque mineiro já assinalado um tento. A 22/09/1944, doze dias após a vitória alvinegra por 5x2 sobre o Flamengo, também pelo campeonato carioca (partida que ficaria conhecida como o 'jogo do senta', quando os jogadores rubro-negros sentaram-se em campo, inconformados com a marcação do quinto gol botafoguense, assinalado justamente por Geninho), ele e seus companheiros embarcaram para a frente de batalha na Itália. Nossos jogadores regressaram ao Brasil a 22/08/1945, tendo Geninho participado de três partidas pelos reservas, até reaparecer no quadro principal a 14/10/1945, contra o Vasco da Gama (2x2). O jogador mineiro atuava na maioria das vezes como meia-direita, e foi justamente jogando nessa posição que o mesmo se sagrou campeão carioca pelas nossas cores, em 1948. Geninho atuou pelo Botafogo em 425 jogos, tendo assinalado 115 gols, constituindo-se no sétimo jogador que mais vezes vestiu a gloriosa camisa do alvinegro carioca (segundo minuciosa pesquisa do nosso constante colaborador Pedro Varanda). E em algumas ocasiões, nos anos 50 e 60, também foi técnico dos profissionais do Botafogo.

Ao centro, Geninho, sem capacete, acena do tombadilho do
navio que trouxe os pracinhas brasileiros de volta para casa
(foto do arquivo do Botafogo F.R.)

Outro dos nossos jogadores profissionais a participar da II Guerra Mundial foi Walter Fazzoni, ponteiro-esquerdo, vindo em 1944 do Corinthians, o qual estreou pelo Glorioso a 16/04/1944, em partida pelo Torneio Municipal, quando derrotamos o Bangu por 6x0, tendo Walter assinalado 2 gols. Antes do embarque para a Itália, o atleta também marcou um tento na partida de 10/09/1944, quando derrotamos o Flamengo por 5x2. Retornando da frente de batalha, Walter reapareceu a 23/09/1945 na equipe principal do Botafogo, em jogo no qual fomos derrotados pelo Bonsucesso por 1x0.

Dentre os nossos atletas amadores que defenderam a FEB por ocasião da II Grande Guerra, o mais conhecido era Dunga, Henrique Fernandes Torquato, zagueiro-esquerdo, nascido no Rio de Janeiro (RJ), o qual foi tricampeão carioca de primeiros quadros amadores pelo Botafogo (1942-1943-1944).

Dunga

Outro nosso amador a participar daquele conflito mundial foi Mato Grosso, Emérito Fernandes dos Reis, também zagueiro, campeão carioca de primeiros quadros amadores em 1942.

A título de ilustração, é interessante citar que tivemos mais um atleta botafoguense participante da II Grande Guerra, porém não como pracinha. Era o jogador de basquetebol Renato Goulart Pereira, o Goulart, que à época do evento era aspirante da Aeronáutica, o qual foi incluído no 1º Grupo de Aviação de Caça, por aviso do respectivo ministério. Nascido no Rio de Janeiro (RJ) a 04/02/1923, foi campeão carioca do esporte da cesta, pelo Glorioso, nos anos de 1942, 1943, 1945 e 1947. O mesmo participou da Campanha da Itália, e no retorno da guerra seguiu carreira na Aeronáutica, reformando-se anos mais tarde no posto de coronel. Falecido no Rio de Janeiro a 02/05/2007.

Goulart

[Fontes: Revista Botafogo, nº 30, de novembro/1943 e nº 33, de fevereiro/1944; O Futebol no Botafogo (1904-1950), de Alceu Mendes de Oliveira Castro (1951); Botafogo, o Glorioso - Uma História em Preto e Branco, de Braz Pepe, Luiz Felipe Miranda e Ney Oscar Carvalho (1996); Nunca houve um Homem como Heleno, de Marcos Eduardo Neves (2006) e http://www.sentandoapua.com.br/ (acessado em 15/06/2010).]

8 comentários:

  1. Bela recuperação Falcão, contando mais um feito, não esportivo mas patriota, de jogadores do Glorioso. Gostei do comentário citando que ele marcou, logo na estréia, "um tento". Gostei também de saber que o Dunga, já jogava no Bota, naquela época (rsrsrs)... Abraços, Eduardo

    ResponderExcluir
  2. Valeu, Eduardo.
    Obrigado pelo incentivo.
    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite,

    Estréia (vai com acento até 2012) de Ephigênio de Freitas Bahiense "Geninho" pelo Botafogo:

    BOTAFOGO 2 x 2 FLUMINENSE
    Data: 08 / 09 / 1940
    Local: General Severiano, Rio de Janeiro
    Competição: Campeonato Carioca e Torneio Rio-São Paulo
    Gols: Perácio, 30’’, Geninho, aos 12’, Carreiro, aos 20’ e Adílson, aos 39’ (todos no 1° tempo)
    Botafogo: Aymoré Moreira, Graham Bell (Bibi) e Araraquara; Zezé Procópio, Zezé Moreira e Canalli (Zarcy); Tadique, Geninho, Pascoal, Perácio e Patesko
    Fluminense: Batatais, Norival e Machado; Bioró, Spinelli e Malazzo; Adílson, Romeu, Milani, Tim e Carreiro
    Fonte: O Jornal

    Saudações Alvinegras

    ResponderExcluir
  4. OK, Pedro. Obrigado.
    Interessante é que o Perácio, que atuou pelo Botafogo na estreia do Geninho, também foi pracinha na II Guerra Mundial, só que em 1944 ele já não estava mais no Glorioso.

    Saudações Botafoguenses Campeãs!

    ResponderExcluir
  5. Falcão, boa tarde! Matéria muito boa, interessante e impensável nos dias de hoje, contando a história de heróis em dois diferentes "fronts". Abraços, Eduardo (Saudações rubro-negras, valorizando o nosso esporte).

    ResponderExcluir
  6. Eduardo, grato pela 'força'.

    Grande abraço e saudações esportivas!

    ResponderExcluir
  7. Certa vez, encontrei o geninho na rua barata ribeiro, onde ele morava,e perguntei pra ele porque não era chamado para jogar na seleção brasileira.Ele, com aquela fala mansa de mineiro, respondeu:Prefiro jogar pelo botafogo e ficar em casa tomando minha cervejinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Zaki.
      Foram quatorze anos seguidos de fidelidade de Geninho ao Botafogo, como jogador.
      E quando puder, leia mais sobre ele em http://datafogo.blogspot.com.br/2012/02/geninho-quatorze-anos-de-fidelidade-ao.html

      Saudações Botafoguenses Campeãs!

      Excluir