domingo, 21 de março de 2010

Atletas Médicos do Botafogo em Outros Esportes

por Claudio Falcão

Depois de redigir artigos sobre ex-jogadores de futebol do Botafogo que se graduaram em Medicina e em outras carreiras de nível superior, lembrei-me daqueles que competiram nos chamados esportes olímpicos pelo Glorioso e que depois se dedicaram à profissão médica. Seguem pequenas biografias sobre eles.

Nova Monteiro


José Albano da Nova Monteiro, o ‘Baiano’, nasceu em Salvador (BA) a 16 de janeiro de 1918. Foi atleta de remo e de polo aquático ainda na época do C.R. Botafogo, pelo qual foi campeão carioca nesse último esporte em 1942, constituindo-se no derradeiro título conquistado pelo Botafogo de Regatas antes da fusão com o BFC. Do ‘Regatas’ recebeu as láureas de emérito em 1938 e de benemérito em 1942. Concluiu seu curso de Medicina em dezembro de 1941. Já em 1946-47 esteve à frente do departamento médico do BFR, tendo em 1948, na gestão de Carlos (Carlito) Martins da Rocha, passado à direção do departamento de remo. Na presidência de Rivadávia Tavares Corrêa Meyer (1973-1975) foi vice-presidente médico. Especializou-se em Ortopedia, tendo sido considerado o ‘papa’ da especialidade no Brasil. Criou o serviço de Ortopedia do Hospital Municipal Miguel Couto, sendo o seu chefe durante muitos anos, bem como diretor do hospital em duas ocasiões. Era membro da Academia Nacional de Medicina. Distinguido com a grande benemerência do Botafogo F.R. em 1986, na presidência de Althemar Dutra de Castilho, bem como, dentre outra honrarias, com a Legião de Honra da França e com a de Grande Oficial da Ordem do Mérito Militar do Exército Brasileiro. Foi vice-presidente do Jockey Club Brasileiro, no início dos anos 2000. Falecido no Rio de Janeiro a 3 de outubro de 2005.

Raimundo


Raimundo Grossi, atleta do basquetebol alvinegro nos anos 60 do século passado, nasceu no Rio de Janeiro a 8 de dezembro de 1945. Fez parte da maravilhosa equipe do Botafogo, campeã brasileira de basquetebol em 1967, em decisão disputadíssima contra o Corinthians Paulista, sendo a primeira agremiação do Rio de Janeiro a conquistar tal competição. Também conquistou pelo Alvinegro o bicampeonato carioca (1966-67). Carioca, graduou-se pela Faculdade Nacional de Medicina (UFRJ). Especializado em Ortopedia e Traumatologia, é membro titular da sociedade brasileira da especialidade (SBOT-RJ), integrando a comissão científica do comitê de osteoporose da instituição, sendo também membro da Sociedade Latino-Americana de Ortopedia e Traumatologia. Já foi chefe de serviço e diretor do Hospital Estadual Anchieta (Rio de Janeiro). Titular da Clínica Dr. Raimundo Grossi (Barra da Tijuca). Co-autor do livro ‘Osteoporose: Mais de 100 Respostas para suas Perguntas’ (Editora Record – 2002). Detentor da Medalha Pedro Ernesto, da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, concedida a ele em maio de 1985. Em reunião do conselho deliberativo do clube, a 3 de março de 1994, foi-lhe concedido o título de benemérito, por proposta do então presidente Carlos Augusto Montenegro. Foi ainda vice-presidente de desportos terrestres do Botafogo na gestão do presidente José Luiz Rolim (1997-99) e vice-presidente médico na administração do presidente Mauro Ney Palmeiro (2000-02).

Pedro Carlos

Pedro Carlos de Moraes Sarmento Pinheiro nasceu no Rio de Janeiro a 5 de janeiro de 1946. Atuou no basquetebol do C.R. Flamengo e a seguir no Tijuca T.C., do qual transferiu-se para o Botafogo em 1972, tendo pelo Glorioso se sagrado vice-campeão carioca adulto em 1973. Posteriormente atuou também no C.R. Vasco da Gama e no Fluminense F.C. Pela seleção carioca universitária foi tricampeão brasileiro, na disputa dos Jogos Universitários, em 1970-1971-1972. Graduou-se em 1972 pela Escola Médica do Rio de Janeiro, da Universidade Gama Filho. Especializado em Ortopedia e Traumatologia, é membro da SBOT-RJ desde 1975. É médico do Hospital Municipal Jesus, onde exerce a chefia de Ortopedia há cerca de 17 anos, tendo lá iniciado como médico residente em 1974. Foi médico residente em Ortopedia do Hospital Municipal Souza Aguiar em 1973. É especializado em Ortopedia Pediátrica. Possui o título de especialização em Medicina Desportiva desde 1974, bem como os títulos de Gestão Hospitalar pela Fundação Oswaldo Cruz - Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), Mestrado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 1985 e Doutorado em Medicina pela UFRJ em 2009, possuindo ainda o título de fellow pelo Alfred du Pont (USA) em 1981.

Bihari


Fernando Bihari, nascido no Rio de Janeiro a 16 de março de 1948, foi atleta de basquetebol. Começou nos juvenis do Botafogo, até chegar à 1ª. Divisão. Participou da decisão do campeonato carioca adulto de 1973, na qual fomos derrotados pelo Fluminense F.C., ficando com o vice-campeonato. Atuou também no Tijuca T.C., C.R. Flamengo, Club Municipal e Grajaú T.C., porém nunca deixou de ser botafoguense. Integrou nos anos 70 a seleção carioca, na disputa de campeonato brasileiro em Campinas (SP). Por vezes integrante da seleção carioca universitária, na disputa dos JUBs (Jogos Universitários Brasileiros), pela mesma sagrando-se tricampeão brasileiro (1971-1972-1974). Em duas ocasiões defendeu o Brasil, competindo nos Jogos Macabeus (Israel – 1973 e 1977), tendo ainda participado, em 1982, do Campeonato Mundial de Basquete Militar, à época em que era tenente da Aeronáutica. Graduou-se em 1975 pela antiga Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, atual Escola de Medicina da Uni-Rio. Especializou-se em Medicina Esportiva (UFRJ – 1976) e Neurocirurgia (com Residência Médica no Hospital Geral de Bonsucesso), tendo trabalhado como médico do futebol profissional do América F.C. Atualmente reside no Canadá (Toronto), trabalhando com crianças e adolescentes portadores do 'espectrum' autista, no Ministério de Serviços à Infância e Adolescência na Província de Ontário.

Grangeiro


João Alves Grangeiro Neto, nascido a 22 de fevereiro de 1957, era exímio ‘cortador’ da equipe de voleibol do Alvinegro nos últimos anos da década de 70. Foi campeão brasileiro pelo Botafogo em 1976, bem como tricampeão municipal por nossas cores em 1978-79-80. Integrou a seleção brasileira por ocasião dos Jogos Olímpicos de Moscou (1980). Em 1981 transferiu-se para o Fluminense F.C. Também especializado em Ortopedia e Traumatologia, sendo igualmente membro da SBOT-RJ, integrando o comitê de Medicina Desportiva da instituição, bem como membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia do Joelho (SBCJ). É médico dos quadros do Ministério da Saúde/Instituto Nacional de Traumato-Ortopedia (INTO), ortopedista do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), tendo sido o coordenador da Área Médica dos XV Jogos Pan-Americanos RIO 2007 e atualmente (período 2008-2011) 2° vice-presidente do conselho deliberativo da ABBR (Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação).

Gabinete Médico do Botafogo em 1943
(Criado pelo Dr. Álvaro Lopes Cançado, o Nariz, em 1940
e que teve o Dr. Nova Monteiro à frente em 1946-47)


Nota: Após a publicação inicial do artigo, recebi essa preciosa colaboração de Rui Moura, do Mundo Botafogo. O Alvinegro tem dois atletas em sua equipe adulta de polo aquático, os quais disputaram a Liga Nacional do esporte em 2009 e que são médicos. São eles: Felipe Franco, o ‘Mega’ e Fabiano Franco. Felipe é atleta da seleção brasileira, pela qual disputou os Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro em 2007 e o campeonato mundial de Roma em 2009. Ambos atuam no Alvinegro desde 2003.
[Fonte: http://www.liganacionaldepoloaquatico.com.br/clubes/botafogo/]

[Publicado originalmente no blog Mundo Botafogo, a 18 de outubro de 2009 - Dia do Médico.]

2 comentários:

  1. Querido Claudio
    obrigado por essa honra de estar no site do nosso glorioso
    A minha maior virtude e ser botafoguense .Aproveitando o momento gostaria de corrigir
    um pequeno lapso , eu nasci em 8/12/1945
    saudações botafoguenses
    Raimundo grossi

    ResponderExcluir
  2. Dr. Raimundo, muito me honra sua visita ao DataFogo. A minha fonte, com relação à sua DN foi um link da UNCPS, que informa ser 03/12.
    Já vou providenciar a correção, mesmo porque 08/12 (data da fusão), para um botafoguense como nós, é muito mais significativo.
    Obrigado e Saudações Alvinegras!

    ResponderExcluir